Sobre estilistas e o fim da produção de roupas

Anniina Nurmi é estilista, formada em Moda pela Universidade de Lahti, em um dos poucos cursos em nível superior oferecidos em seu país, a Finlândia. Em sua vida, ela sempre tentou se manter o mais sustentável possível em suas práticas de consumo e decidiu que deveria estender esta ideia para sua atuação profissional.

Primeiro ela fundou uma loja multimarcas de roupas com diferencial sustentável, e depois, lançou sua própria marca, atuando como estilista de produtos que também tinham a redução de impacto como foco na maior parte dos processos produtivos.

Como estilista, ela selecionava a origem dos tecidos, a forma como eram produzidos, e optava por desenhos e modelagens que pudessem atravessar melhor o tempo e sobreviver às tendências.

cost-breakdown-nurmi-cardigan-nurmiclothing
Gráfico contendo valores de orçamento aberto da Nurmi Clothing. Foto: Divulgação
51a1145c4fc72a49391e49b92a32c2ee
Divulgação do re-jeans da Nurmi feito com algodão reciclado. Foto: Divulgação

Com o tempo, e com a intensificação de suas pesquisas em torno da sustentabilidade, ela fez uma escolha que tem se tornado frequente no cenário dos estilistas contemporâneos: decidiu interromper a produção de roupas.

Como alternativa, passou a pensar sobre novas formas de consumir e vestir roupas e propôs a “Rent in Shop”. A ideia da iniciativa é fazer com que as peças sirvam à mais de uma pessoa e sejam alugadas diretamente das lojas que normalmente venderiam as roupas, como uma forma de economia circular.

Anniina explica que a Rent in Shop “oferece uma plataforma através da qual consumidores podem alugar roupas de alta qualidade diretamente das lojas. Com o pagamento de uma mensalidade, consumidores podem usar uma roupa bela sem o fardo do armazenamento e manutenção – assim trazendo seu armário para uma era de pós-propriedade.”

O caso de Anniina não é único e parece fazer parte de uma tendência cada vez mais comum no mundo. Me incluo dentro deste pacote ao, em 2013, abandonar minha carreira como estilista e passar a me dedicar à pesquisa nessa mesma área que me fascina tanto; a moda.

Naquele momento, como estilista da marca carioca MaraMac, me pareceu que minha contribuição poderia ser mais potente ao unir a pesquisa acadêmica à prática experimental, do que focar nos trabalhos em moda comercial.

Cada profissional, no entanto, tem sua própria justificativa e força motivadora. Nelson Lo, estilista vencedor em 2010  do prêmio  Creative Sky Fashion Competition, decidiu dedicar-se à NYCO (New York Creative Odyssey), um projeto educacional com foco em metodologias de pensamento crítico e design.

Em caso similar, Tuomas Laitinen, estilista graduado pela Central Saint Martins em Londres, com vasta experiência em Paris e Helsinki, interrompeu recentemente seu papel como estilista comercial e passou a se dedicar exclusivamente à função de educador e artista contemporâneo.

GOODWILL
Foto: Vernon Doucette

O que estes exemplos nos dizem é que parece ser o momento de repensarmos o que fazemos como criadores e consumidores de moda; qual o nosso papel, nossa responsabilidade? E inevitavelmente esta reflexão nos leva a uma pergunta essencial: precisamos de mais roupas?

—-

Julia Valle Noronha é mineira, doutoranda em Design pela Aalto University, da Finlândia, e integrante do grupo de pesquisa local em Fashion and Textile Futures.

Veja mais publicações dela aqui e aqui.

15877777_10154668589001131_1190816746_o

—-
Crédito foto capa: Brad Feinknopf

Anúncios

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s