‘Drops’ Paraty Eco Festival 2016 ♲ ✄

Desde 2011, a cidade de Paraty, litoral do estado do Rio, é palco de um evento cultural muito cativante, que surgiu com o nome de Paraty Eco Fashion. A iniciativa dos institutos Colibri e Rio Moda tem como eixos fundamentais a valorização de saberes e fazeres tradicionais – sejam caiçaras, quilombolas ou indígenas – e a divulgação de projetos de moda que envolvam artesanato, matérias-primas ecologicamente amigáveis e inovação socioambiental.

20161022_172234
Ângulo da Mostra de Moda e Design Sustentáveis que reuniu trabalhos de estudantes e profissionais. Foto: Arquivo Roupartilhei

A edição 2016 acabou de ser realizada, dos dias 12 a 23 de outubro, com sede oficial na Casa de Cultura da cidade, um espaço composto por um ótimo auditório, um café, áreas de exposição e convivência.

Tradicionalmente, o evento conta com apresentações de canto e dança típicas, exposições artísticas, homenagens a figuras folclóricas locais, desfiles de moda a céu aberto, palestras, workshops e feiras criativas – fazendo dos dias em Paraty uma experiência muito significativa.

img_20161021_174653
Turma do workshop “Novos Negócios na Moda” ministrado por Lilyan Berlim e Pedro Ruffier. Foto: Arquivo Roupartilhei

A partir da edição de 2014, passou a chamar-se “Paraty Eco Festival”, já que a ideia da organização foi desconstruir o foco voltado para a moda, e valorizar outras atividades em expansão, como a mostra de filmes Eco Cine.

Mesmo sendo meu primeiro ano no Paraty, tive a impressão que o segmento fashion diz respeito à maioria dos presentes, já que atividades como a Mostra de Moda e Design Sustentáveis; a fala de nomes pioneiros no tema, como a pesquisadora Lilyan Berlim e a diretora do Instituto E, Nina Braga; e workshops como o de impressão botânica, facilitado pela estilista Flávia Aranha, atraíram em peso esse público específico.

20161023_112632
André Carvalhal durante palestra no Paraty Eco Festival 2016. Foto: Arquivo Roupartilhei

Outros nomes interessantes estiveram no palco do auditório, como o designer e figurinista Dudu Bertholini, que falou sobre suas experiências com comunidades artesãs de renda e crochê; o fundador do coworking Malha, André Carvalhal, que focou sua fala em sensibilizar sobre os impactos da indústria de moda e a busca por propósito;  Marcia Kemp, com as bolsas Nannacay, produzidas por indígenas peruanas assistidas, e a designer Heloísa Crocco, que teve o trabalho muito elogiado pelo público.

As marcas Grama Eco, Emi Beachwear e a designer Aline Uberna foram os destaques eleitos pelos jurados da Mostra de Moda e Design Sustentáveis. O pessoal da Grama desenvolveu o modelo verde-musgo exposto com malha de algodão orgânico, reuso de sacos de algodão, organza de seda e tingimento natural. A Emi expôs um de seus maiôs, feito de tecido mais facilmente biodegradável e a equipe de Aline Uberna  desenvolveu um novo tecido, proveniente da fibra de pupunha e lã ovina, e utilizou aviamentos de madeira-de-lei de descarte industrial.

Ao longo do evento realizei pequenas entrevistas (que chamo aqui de “drops”), que mostram um pouco do mood que rolou por lá. Segue abaixo a fala da diretora do Instituto Colibri e coordenadora geral do evento, Bernadete Passos:

O painel de conversa “Moda Consciente” foi composto pela Fernanda Nicolini, Mayra Sallie e Lucas Arcoverde, fundadores das marcas Odyssee, MIG Jeans e Mescla. Bati um papo com eles que teve justamente a ver com essa mensagem de cooperação e união que a Bernadete trouxe. Vejam o resultado no vídeo abaixo (só não reparem na disparada louca do meu zoom, nem no barulho do pessoal descendo a rampa de metal da Casa de Cultura, ok!? :D) :

Conversei também com a super Lilyan Berlim, que, como de praxe, estava multi-tarefas no festival, sendo jurada da Mostra de Moda e Design, facilitadora do workshop “Novos Negócios na Moda” e integrante de painel com o movimento Fashion Revolution. No vídeo, a Lilyan dá uma palhinha rápida sobre a Mostra – após uma conversa em áudio super bacana que tivemos, e logo terá um post completo por aqui:

Filmei também alguns integrantes da TENET, rede maravilhosa de artesãos, artistas plásticos e designers têxteis do Brasil todo, que trabalham com técnicas de bordado, tear, impressão botânica, reutilização de trapos e até com corte a laser e impressora 3D. A rede realiza eventos anuais, e para esse ano, elegeram o Paraty como ponto de encontro e local de exposição.

Para completar a sequência de vídeos, conversei com a estilista Flávia Aranha sobre sua primeira participação no festival e um pouco do que falou no painel do evento, sobre os grupos produtivos conectados à sua marca, os trabalhos com algodão rústico e orgânico e suas lindas técnicas de tingimento natural.

Levando em conta que o segmento de moda sustentável está em plena expansão, atraindo o interesse de estudantes, estilistas e consumidores por todo o Brasil e mundo, não há dúvidas que o Paraty tenha muito potencial para ser um reduto “oficial” de encontro dos formadores de opinião dessa área.

20161022_120409
Painel com as representantes do Brasil do movimento internacional Fashion Revolution. Foto: Arquivo Roupartilhei

A abordagem sobre aspectos folclóricos locais, os documentários socioambientais e demais manifestações culturais típicas, são temáticas incrivelmente ricas e importantes para tecerem a narrativa da moda “profundamente” sustentável. Por outro lado, fico na torcida para que o evento consiga costurar bem todo esse escopo e não perca o fio da meada.

☼☼☼☼

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s