A EcoEra da moda com Chiara Gadaleta

Formar opinião sobre moda com atributos sustentáveis no Brasil não é uma tarefa fácil, já que o assunto permeia o mercado há poucos anos e exige muito estudo e “estrada” para ser entendido em sua essência. Mas se formos buscar referências, a convergência ao nome de Chiara Gadaleta e seu movimento EcoEra será inevitável.

Chiara no amazonas
Chiara planta muda de cacau na Amazônia, com o apoio de uma empresa neutralizadora de carbono. Foto: Divulgação Instagram EcoEra

Chiara nasceu em Nápoles, na Itália, mas veio cedo para o Brasil. Após alguns anos trabalhando como modelo e estilista em sua antiga marca, a Tarântula, teve que rever seu posicionamento e então optou pelo rumo da sustentabilidade. Isso em meados de 2008.

Nessa época ela criou o projeto Ser Sustentável com Estilo, que depois se transformou no EcoEra – uma plataforma multidisciplinar de disseminação de práticas mais sustentáveis nos mercados de moda e beleza.

EcoEra_2015_0295-755x425
Cerimônia de entrega do prêmio EcoEra em novembro de 2015. Foto: Divulgação EcoEra

Desde então, Chiara e sua equipe passaram dois anos viajando por todas as regiões do Brasil, mapeando iniciativas tradicionais de artesanato e manufatura de matérias-primas típicas. De volta às metrópoles, realizaram dez eventos no eixo Rio-SP, que incluíram desfiles, palestras e oficinas, e em novembro passado lançaram o prêmio EcoEra.

O prêmio recebeu inscrições de setenta iniciativas e premiou marcas como Reserva, Dudalina e Insecta Shoes. Chiara também mantém a coluna EcoEra na Vogue, onde traz visibilidade a mais de dez produtos “conscientes” de diferentes marcas, todo mês.

Foto aula
Turma do workshop. Foto: @alexandre_ssant_anna

Pude participar do workshop que ela ofereceu no Studio 512, aqui no Rio, nessa última semana, e aproveitei para conversar com ela sobre alguns conceitos e curiosidades relacionados a essa abordagem da moda. Ouça nosso áudio, aqui:

Fazendo um panorama sobre pontos importantes que vimos nesse três dias de encontros, eu destacaria os seguintes:

  • Ressignificação do ciclo do consumo na moda, refletindo sobre a existência de um ciclo virtuoso na cadeia produtiva, a relevância da compra e as consequências de seu descarte;
  • Atributos sustentáveis da produção de moda ligados aos quatro “eco-pilares”;
  • Valorização de brechós e bazares com fundamento beneficente, como a Associação Santo Agostinho, iniciativa apoiada por Chiara.
  • Cases sobre “orçamento aberto” e a era da transparência entre as empresas, preocupadas em ter voz e transmitir valores (ou hashtags);
  • Selos de qualidade que incentivam a legalização da mão-de-obra e a produção local;
  • Tendências produtivas como a reutilização, o upcycling, a co-criação, a customização, o uso de matéria-prima típica brasileira, manejada em comunidades nativas e modelagens que valorizam a inclusão social de diferentes gêneros e tipos físicos.
    Ecoera3
    Tietando o acervo de acessórios eco-artesanais da Chiara, durante o workshop. Foto: arquivo Roupartilhei

    Além das conversas teóricas fizemos uma visita à loja Igara Moda Arte, no Largo do Machado, administrada pela Ely, uma das colegas do curso e um amor de pessoa.

    A Igara trabalha com bio-jóias e eco-jóias e foi um local ótimo para vermos exemplos de artesanato de raiz com sementes de jarina – o “marfim-vegetal” da Amazônia – e de artesanato urbano, com bijous feitas de cápsulas de Nespresso, redes de pesca e zíperes reutilizados.

Loja Igara
Turma do workshop na loja Igara Moda Arte. Foto: Divulgação Instagram Igara Moda Arte

Após o curso aconteceu a feira pop-up EcoEra lá no Studio 512 mesmo, que reuniu mais de dez marcas incluindo brechós, iniciativas de customização, reutilização de materiais e uso de tecidos com diferenciais sustentáveis. Foi muito bom!

E você, se vestiu de quê nessa semana?

♲♲♲♲

Anúncios

2 comentários Adicione o seu

  1. Carlos A. Sylvynho Lima disse:

    Muito bom Gabi, parabéns! Fico feliz de te ver envolvida num trabalho de tanta importância e responsabilidade social. Mais uma vez, parabéns à voce, à Chiara e a todos que corroboram com estas propostas inovadoras , sustentáveis e Humanista para o mundo!

    Curtir

  2. Ely Bastos de Lima disse:

    Parabéns pelo conteúdo do blog, pela excelente entrevista com a Chiara, e obrigada pela visita à Igara. Conhecendo vcs não tenho dúvidas na superação dos obstaculos, que é trabalhar com sustentabilidade neste país. Existe nicho e pessoas comprometidadas com um mundo melhor, menos egoísta e ético!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s